CEO da Caixa Econômica Federal visita Bangladesh e vê oportunidades de negócios com o Brasil

Impressionado com o crescimento de Bangladesh e o desenvolvimento de infraestrutura em grande escala, o Brasil agora quer se envolver amplamente em agronegócio, comércio, microfinanças e infraestrutura, diz o CEO do banco estatal brasileiro, Caixa Econômica Federal. (CEF).

“Queremos estreitar a relação entre Brasil e Bangladesh. Acho que a relação pode ser muito maior e muito mais alta”, disse Pedro Guimarães em entrevista à UNB.

Ele disse que assim como Bangladesh, o Brasil também está crescendo e há um escopo enorme de investimento e de ter maior engajamento no agronegócio.

Durante sua primeira visita a Bangladesh, o economista brasileiro e membros de sua equipe visitaram Old Dhaka, Instituto de Pesquisa do Arroz de Bangladesh (BRRI), Bangladesh Instituto de Pesquisa Agropecuária (BARI), Banco Central de Bangladeh, Ministério das Finanças, Autoridades reguladoras de Microcrédito, a Sede do Grameen Bank e BRAC e interagiram com os funcionários além de reuniões com tomadores de microcrédito.

O CEO da Caixa disse que está muito impressionado ao ver como o sistema de microcrédito está funcionando em Bangladesh e seu país está disposto a tirar as lições da experiência de Bangladesh, pois eles querem servir as pessoas relativamente pobres em seu país desenvolvendo esse esquema financeiro. “Acho que as microfinanças estão crescendo mais rápido aqui.”

Ele disse que vão ter um acordo no agronegócio entre Brasil e Bangladesh que está em fase final. “Acho que a relação entre Brasil e Bangladesh deve aumentar.”

Respondendo a uma pergunta, o economista disse que Bangladesh está crescendo muito rápido e em todos os lugares que ele passou viu que há atividades de construção. “Então, há oportunidades de investir em Bangladesh.”

O embaixador brasileiro em Bangladesh, João Tabajara De Oliveira Junior, disse que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro mudou positivamente seu país e convidou Pedro a fazer tudo o que precisa ser feito para o benefício do povo e o crescimento do país.

O Brasil agora está dando muito foco ao banco social, garantindo o acesso das pessoas ao microcrédito ou microfinanças, não concentrando-se apenas em pessoas ricas.

“Ele (Pedro) quer aprender com as experiências de Bangladesh em microcrédito. Ele quer fazer algo assim no Brasil”, disse o embaixador brasileiro,

O CEO Pedro planeja um grande produto financeiro para os pobres, algo que não foi feito na última década.

“E essa é a prioridade dele. Ele acha que o microcrédito é algo que eles precisam fazer com urgência”, disse o embaixador brasileiro, acrescentando que eles podem arcar com esse programa sendo um banco estatal.

O enviado disse que o CEO da Caixa quer desenvolver parceria com o Bangladesh e quer ter o conhecimento que o Bangladesh tem nesta área.

Pedro falou sobre a colaboração com Brac e Grameen Bank e encontrou mutuários nas aldeias para saber como funciona (micro-crédito) em Bangladesh e também tentou conhecer as histórias dos beneficiários.

O enviado brasileiro disse que o CEO enviará uma segunda equipe até o final de março deste ano para discutir melhor as áreas de cooperação após ter conhecimento adequado sobre os aspectos técnicos.

O MUNDO DIPLOMÁTICO