Cristo redentor é iluminado com as cores da Bandeira da Geórgia

Por ocasião da celebração do Dia da Independência da Geórgia, no dia 26 de maio de 2019,   graças à cooperação entre a Embaixada da Geórgia na República Federativa do Brasil e o santuário do cristo redentor, a estátua do cristo foi iluminada com as cores da bandeira da Geórgia.


Sobre a Georgia:

A Geórgia é um país da Europa Oriental, delimitado pelo Mar Negro a oeste, pela Rússia ao norte, pela Turquia e pela Armênia ao sul e pelo Azerbaijão a sudeste. A capital e maior cidade é Tbilisi. A Geórgia cobre um território de 69.700 quilômetros quadrados (26.911 m2), e sua população em 2017 era de cerca de 3.718 milhões. A Geórgia é uma república parlamentar unitária, com o governo eleito por meio de uma democracia representativa. A Geórgia é um dos países antigos do mundo, na medida em que suas raízes remontam aos séculos 13 a 12 a.C. O período da antiguidade clássica viu o surgimento de vários estados georgianos primitivos, como Colchis no oeste e Ibéria no leste. Na mitologia grega, Colchis ou Colkhida era a localização do Velo de Ouro, procurado por Jasão e os Argonautas no conto épico Argonáutica, de Apolônio de Rodes. A incorporação do Velo de Ouro ao mito pode ter derivado da prática local de usar lã para filtrar o pó de ouro dos rios. De acordo com outro mito proeminente, Prometeu, que trouxe fogo aos humanos, foi acorrentado a uma montanha dos Cáucasos, em Colchis, tendo seu fígado comido. Talvez a natureza rebelde do povo georgiano pudesse ser explicada dessa maneira. O Reino da Geórgia atingiu seu apogeu no século 12o até o início do século 13o. O período do reinado da rainha Tamar foi amplamente denominado como a Idade de Ouro da Geórgia. Esta época do início do renascimento georgiano, único à sua maneira, uma das poucas exceções de um reino dos tempos medievais que era governado por uma rainha, precedido de seu análogo da Europa Ocidental, foi caracterizado pelo renascimento cultural na arquitetura, literatura, filosofia, ciências e uma das primeiras tentativas de estabelecer o parlamentarismo na civilização ocidental. A idade de ouro da Geórgia deixou um legado de grandes catedrais, poesia romântica e literatura, e o épico poema “O Cavaleiro na Pele da Pantera”, épico nacional do poeta medieval Shota Rustaveli. Em 1918, a república democrática da Geórgia foi estabelecida, recuperando sua independência, que eventualmente durou apenas 3 anos. Apesar deste curto período de tempo, o país experimentou enormes reformas e abriu caminho para a perspectiva europeia. Baseado nesta fundação, em 1991 a Geórgia declarou sua independência novamente e desde então, como um estado independente serve à segurança do mundo. A maioria da população pratica o cristianismo ortodoxo oriental. A Igreja Ortodoxa da Geórgia é uma das igrejas cristãs mais antigas do mundo e reivindica a fundação apostólica de Santo André. Na primeira metade do século 4o, o cristianismo foi adotado como a religião do estado, seguindo a obra missionáriade Santa Nino da Capadócia. A cultura georgiana evoluiu ao longo de milhares de anos a partir das suas fundações nas civilizações ibérica e Colchian. A cultura georgiana desfrutou de uma era renascentista e dourada de literatura clássica, artes, filosofia, arquitetura e ciência nos séculos 11o e 12o. A cultura georgiana foi influenciada pela Grécia clássica, pelos impérios romano e bizantino. A Geórgia é um país único em termos de sua língua e alfabeto próprio. A escrituras georgianas são os três sistemas de escrita usados para escrever o idioma georgiano. Embora os sistemas tenham uma aparência diferente, todos os três são únicos, suas letras compartilham os mesmos nomes e ordem alfabética e são escritos horizontalmente da esquerda para a direita. A Geórgia tem uma tradição musical antiga, conhecida principalmente por seu desenvolvimento inicial da polifonia, que foi reconhecida pela UNESCO como uma obra-prima do Patrimônio Imaterial em 2001. A canção folclórica polifônica georgiana “Chakrulo” foi uma das 29 composições musicais incluídas nos “Discos de Ouro da Voyager” que foram enviados ao espaço na “Voyager 2” em 20 de agosto de 1977. A cozinha e o vinho georgianos evoluíram ao longo dos séculos, adaptando as tradições de cada época. Uma das tradições mais incomuns de jantar é a “Supra”, ou mesa georgiana, que também é uma maneira de socializar com amigos e familiares. O chefe da supra é conhecido como Tamada, que ao mesmo tempo é a pessoa responsável por garantir que todos estejam se divertindo. A cozinha georgiana absorveu muitas tradições e influências ao longo da história e é uma das culinárias mais diversificadas, onde todos podem encontrar algo ao seu gosto. Várias regiões históricas da Geórgia são conhecidas por seus pratos especiais: por exemplo, khinkali (bolinhos de carne), da Geórgia montanhosa oriental e khachapuri (torta recheada de queijo), principalmente de Imereti, Samegrelo e Adjara. A viticultura e a vinificação na Geórgia têm sido amplamente praticadas desde a antiguidade. Como evidenciado pelos achados arqueológicos, o “Qvevri” – uma ânfora fabricada na Geórgia caucasiana no século 3o – 4o d.C. não diferiu muito da forma do Qvevri moderno, e eles também foram enterrados no solo, como é atualmente praticado agora. Assim, o método de produção de vinho em Qvevri, que ainda prevalece em muitas partes da Geórgia, continua por pelo menos dezoito séculos. De acordo com as mais recentes descobertas científicas, esta é provavelmente a mais antiga tecnologia de vinho que ainda é usada no planeta! Devido à sua importância, o antigo método tradicional de produção de vinho georgiano, usando os potes de argila Qvevri, foi adicionado às Listas de Patrimônio Cultural Imaterial da UNESCO. A Geórgia é um país de 4 estações, com altas montanhas e resorts à beira-mar, a 2 horas de distância uma da outra. Por isso, oferece o vasto leque de atividades para turistas e visitantes durante o ano e não é coincidência que o turismo tenha um papel importante no desenvolvimento econômico dos países. A Geórgia está entre os poucos países do mundo, onde o número de visitantes dobra o número de sua própria população.




Embaixador David Solomonia e família no Cristo redentor: Rio De janeiro, com as cores da Geórgia iluminando a estátua do Cristo Redentor.




About Georgia:

Georgia is a country in the Eastern Europe, bounded by the Black Sea to the west, by Russia to the north, by Turkey and Armenia to the south and by Azerbaijan to the southeast. The capital and largest city is Tbilisi. Georgia covers a territory of 69,700 square kilometres (26,911 sq mi), and its 2017 population is about 3.718 million. Georgia is a unitary parliamentary republic, with the government elected through a representative democracy. Georgia is one of the ancient countries in the world, in as much as its roots date back to the 13th – 12th century BC. The period of classical antiquity saw the rise of a number of early Georgian states, such as Colchis in the west and Iberia in the east. In Greek mythology, Colchis or Colkhida was the location of the Golden Fleece, sought by Jason and the Argonauts in epic tale Argonautica by Apollonius Rhodius. The incorporation of the Golden Fleece into the myth may have derived from the local practice of using fleeces to sift gold dust from rivers. According to another prominent myth, Prometheus, who brought fire to the humans, was chained to a mountains of the Caucasus in Colchis, having his liver eaten. Maybe the rebellious nature of the Georgian people could be explained this way. The Kingdom of Georgia reached its zenith in the 12th to early 13th centuries. The period of reign of Queen Tamar has been widely termed as Georgia’s Golden Age . This epoch of an early Georgian renaissance, unique in its own way, one of a few exemptions when the kingdom in medieval times was ruled by the queen, preceded its Western European analogue, was characterized by cultural renaissance in architecture, literature, philosophy, the sciences and one of the first attempts to establish parliamentary rule in the western civilization. The Golden age of Georgia left a legacy of great cathedrals, romantic poetry and literature, and the epic poem “The Knight in the Panther’s Skin”, national epic by medieval poet Shota Rustaveli. In 1918, democratic republic of Georgia was established, regaining its independence, which eventually lasted only for 3 years. Despite this short period of time, country experienced huge reforms and paved a road to the European perspective. Based on this foundation, in 1991 Georgia re-declared its independence and since then, as an independent states serves to the security of the world. The majority of population practices Eastern Orthodox Christianity. Georgian Orthodox Church is one of the world’s most ancient Christian Churches, and claims apostolic foundation by Saint Andrew. In the first half of the 4th century, Christianity was adopted as the state religion following the missionary work of Saint Nino of Cappadocia. Georgian culture evolved over thousands of years from its foundations in the Iberian and Colchian civilizations. Georgian culture enjoyed a renaissance and golden age of classical literature, arts, philosophy, architecture and science in the 11th and 12th century. Georgian culture was influenced by Classical Greece, the Roman and Byzantine Empires. Georgia is a unique country in terms of its language and own alphabet. The Georgian scripts are the three writing systems used to write the Georgian language. Although the systems differ in appearance, all three are unicase, their letters share the same names and alphabetical order, and are written horizontally from left to right. Georgia has an ancient musical tradition, which is primarily known for its early development of polyphony, which was recognized by UNESCO as an Intangible Heritage masterpiece in 2001. Georgian polyphonic choral folk song “Chakrulo” was one of 29 musical compositions included on the “Voyager Golden Records” that were sent into space on “Voyager 2” on 20 August 1977. Georgian cuisine and wine have evolved through the centuries, adapting traditions in each era. One of the most unusual traditions of dining is “Supra”, or Georgian table, which is also a way of socialising with friends and family. The head of supra is known as Tamada, who at the same time is the person responsible to make sure that everyone is enjoying themselves. Geoprgiancuisine absorbed many traditions and influences throughout history and is one of the most diverse cuisines, where everyone can find something to his/her taste. Various historical regions of Georgia are known for their particular dishes: for example, khinkali (meat dumplings), from eastern mountainous Georgia, and khachapuri (cheese filled pie), mainly from Imereti, Samegrelo and Adjara. Viticulture and wine making in Georgia have been widely practiced since ancient time. As evidenced by archaeological findings, “Qvevri” -amphora manufactured in Caucasian Georgia s in the third-fourth century AD did not differ much from the shape of the modern Qvevri, and they were also buried in the ground, as it is currently practiced now. So the method of wine making in Qvevri which is still prevalent in many parts of Georgia is continued for atleast eighteen centuries. According to newest scientific findings, this is probably the oldest technology of wine is still used on the planet! Due to its importance, the ancient traditional Georgian winemaking method using the Qvevri clay jars has been added to the UNESCO Intangible Cultural Heritage Lists. Georgia is a country of 4 seasons, with high mountains and seaside resorts in the 2 hour drive distance from each other. Therefore it offers the wide range of activities for tourists and visitors thought the year and it is not coincidence that the tourism plays an important role in countries economic development. Georgia is among the few countries in the world, where the number of visitors doubles the number of its own population.

O MUNDO DIPLOMÁTICO