Governo Chinês observa intervenção estrangeira nos protestos de Hong kong

O site se reuniu com autoridades chinesas em Brasília, para saber mais sobre os protestos de Hong Kong e a versão da própria China, sobre o assunto, já que há muitas informações em toda a imprensa mundial, decidimos ir direto á fonte.



Segundo o Ministro Conselheiro da embaixada da China, o Sr Qu Yuhui, tudo começou quando um cidadão de Hong Kong  matou e esquartejou a sua namorada grávida em uma viagem a Taiwan e voltou para Hong Kong, como o crime aconteceu em Taiwan, ficou impossível completar o julgamento devido a dificuldade de acordos de extradição.Os protestos em Hong Kong de 2019 são uma série de manifestações  em Hong Kong   que começaram em 31 de março de 2019, exigindo a retirada do  projeto de lei de extradição de Hong Kong em 2019, proposto pelo Governo  local.


Teme-se que o projeto de lei faça com que a cidade se abra ao alcance da lei chinesa e que as pessoas de Hong Kong fiquem sujeitas a um sistema legal diferente. A partir daí protestos começaram a acontecer, porém a polícia reconhece muitos cidadãos estrangeiros que estão presentes em todos os eventos, inclusive de vandalismo. A constituição de Hong Kong é diferente do Governo Central da China, sendo assim , Hong Kong tem autonomia para resolver os seus assuntos internos. Há relatos do uso de bombas  oriundas do petróleo, no dia 11 de agosto que feriram policiais, sabotagens, destruição de veículos da polícia, insultos, provocação e o vandalismo destruindo parte  western da ilha de Hong Kong, bloqueio de  túneis, obstrução de 36 avenidas, 96 linhas de ônibus foram suspensas e 200 vôos cancelados.


Alguns estrangeiros de diferentes  nacionalidades estão envolvidos diretamente, liderando esses protestos que definitivamente estão causando um caos social.

Foi relatado também que um residente de Shenzen de sobrenome Xu, foi detido ilegalmente pelos manifestantes e espancado até entrar em coma, a polícia demorou 4 horas para conseguir resgatar o cidadão.O governo chinês alega que alguns governos estrangeiros  apoiam estes atos sob alegação de se tratar de atos de ” liberdade de expressão e democracia”, no entanto a situação em Hong Kong já  está muito além e a ilha precisa reestabelecer a ordem social.


A China, como  segunda maior economia do mundo, é visada e comunmente  julgada de forma errônea e existe o interesse em desestabilizar a ordem social que foi erguida nos últimos anos , levando o número de desemprego abaixo dos 3 por cento,  diminuindo consideravelmente os índices de pobreza, e aumentando o poder aquisitivo dos cidadãos .

O governo de Hong Kong , é de confiança do Governo Central e os protestos radicais continuam a ferir a polícia. Manifestantes também tem usado de forma ilegal, líquidos corrosivos e substâncias tóxicas e o governo chinês tem a intenção de retornar a ordem social, dentro das leis que regem a constituição de Hong Kong, que  como informada anteriormente é diferente da constituição chinesa.


Ainda segundo o representante do governo chinês no Brasil , é necessário o reestabelecimento da ordem e da paz local , os problemas devem ser resolvidos de forma pacífica e sem intervenção estrangeira afim de causar mais problemas .

O MUNDO DIPLOMÁTICO