Saiba quem era o General iraniano morto pelos EUA

Texto por:Lígia ANJOS


O general Qassem Soleimani, líder da força Al-Quds, unidade de elite dos Guardas da Revolução iraniana, e Abou Mahdi al Mouhandis, líder de uma milícia iraquiana, foram mortos num ataque norte-americano contra a coluna em que seguiam junto do aeroporto de Bagda.


Qassem Soleimani, 62 anos, comandava desde 1998 a Força al-Quds, dos Guardas da Revolução, responsável pela acção militar no estrangeiro e pelas operações clandestinas.

Foi o principal estratega da irradiação iraniana no Médio Oriente, responsável pelas operações externas da Guarda Revolucionária Iraniana, uma divisão das forças armadas em que tinha entrado logo a seguir à Revolução Iraniana.

Antes de liderar a força de elite da Guarda Revolucionária Iraniana, Qassem Soleimani esteve no campo de batalha. Em 1980, durante a guerra entre o Irão e o Iraque, foi ele quem reuniu e liderou as tropas da cidade de Kerman.

Com apenas seis semanas de treino militar combateu na província de Azerbaijão Oriental. Quando o conflito terminou, Qassem Soleimani era um herói: “Entrei na guerra para uma missão de 15 dias, acabei por ficar até ao fim. Éramos todos jovens e queríamos servir a revolução”, recordava numa entrevista em 2013.

Em 1998 tornou-se líder da Força Quds. Era um líder discreto que “raramente levantava a voz”. Apontado como um possível nome para assumir o comando do Irão.

Os Estados Unidos declararam em 2011 o general iraniano como terrorista estrangeiro. A animosidade entre os norte-americanos e Qassem Soleimani é antiga, mas vincou-se em 2001 com a invasão do Afeganistão.

Qassem Soleimani foi diplomata na medida em que assentou no Médio Oriente uma influência iraniana, apertou laços com a Síria, onde ajudou Bashar al-Assad a combater o Estado Islâmico. Em 2017, a revista Time considerou-o uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.

Morreu esta sexta-feira num ataque aéreo dos Estados Unidos ordenado pelo presidente Donald Trump. Era considerado um dos homens mais poderosos do Médio Oriente.

O MUNDO DIPLOMÁTICO